sexta-feira, 29 de outubro de 2010


"...ou talvez eu só precise de férias, de um porre e de um novo amor "

Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 25 de outubro de 2010


''Meu Deus! Como é engraçado!
Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço... uma fita dando voltas.
Enrosca-se, mas não se embola, vira, revira, circula e pronto: está dado o laço.
É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braço.
É assim que é o laço: um abraço no presente, no cabelo, no vestido,
em qualquer coisa onde o faço.
E quando puxo uma ponta, o que é que acontece? Vai escorregando...
devagarzinho, desmancha, desfaz o abraço.
Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido.
E, na fita, que curioso, não faltou nem um pedaço.
Ah! Então, é assim o amor, a amizade.
Tudo que é sentimento. Como um pedaço de fita.
Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora,
deixando livre as duas bandas do laço.
Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.
E quando alguém briga, então se diz: romperam-se os laços.
E saem as duas partes, igual meus pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço.
Então o amor e a amizade são isso...
Não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam.
Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço! ''

 
(Desconheço o autor)

sábado, 23 de outubro de 2010

rio do mistério
          que seria de mim
                  se me levassem a sério?

Paulo Leminski

“Enfrentar o inimigo invencível,
Tentar quando as forças se esvaem,
Alcançar a estrela inatingível:
Essa é a minha busca”

Dom Quixote, personagem de Miguel de Cervantes y Saavedra

"Crisântemos e camélias,
Flores de toda espécie
Convergem em ti, Ofélia
Doces e quase sem pressa

Lírios, rosas, alliums,
Tulipas e flores-idéias
Liras, trovas, átimos
Castos (sem crimidéias)

E eu penso: "tamanha pureza
Não deve de ser mensurável...
Só resta, enfim, a certeza
Que és bela e de todo amável"

Seu olhar insuspeito (e desconfiado…)
Rarefeito, flagrado só por mim

Guarda a verdade sobre ti
Que sorri… Sempre sorri…"


poema de um amigo,dedicado a mim *modestia a parte toda convencida*
Cavi Page!
de todo coração Muito obrigada!

terça-feira, 12 de outubro de 2010


“O máximo de maturidade que um homem pode atingir é quando ele tem a seriedade que têm as crianças quando brincam

Nietzsche
.

"Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças"


Fernando Pessoa, Obra Poética 189

quarta-feira, 6 de outubro de 2010


Mas quem é que sabe como? Viver... o senhor já sabe: viver é etcétera...

Guimarães Rosa
"É que ela sentia falta de encontrar-se consigo mesma e sofrer um pouco, é um encontro.''


Clarice Lispector



terça-feira, 5 de outubro de 2010

Politicagem 2


Nicolas Boileau (1636-1711) foi um crítico e poeta francês.

“Um tolo sempre acha um mais tolo para admirá-lo.” Nicolas Boileau

No caso de Tiririca foram um milhão, trezentos e cinquenta mil, quatrocentos e trinta e oito. Tolinhos.



Via: http://frasesilustradas.wordpress.com/
Visitem!!! Muito bom!




sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Algumas preciosidades morrem baixinho, em gra. Como morrem as tardes. Como morrem as flores. Como morrem as ondas. Quando a gente percebe, já é noite e o céu, se está disposto a falar, diz estrelas. Quando a gente percebe, as pétalas já descansam o seu sorriso no colo do chão. Quando a gente percebe, o canto da onda já enterneceu a areia. Muitas dádivas que nos encontram, que nos encantam, têm seu tempo de viço, sua hora de recado, e seu momento de transformação em outro jeito de lindeza.

A noite também é bela do jeito dela. As pétalas caídas viram húmus para fertilizar o solo que dirá a vez de outras flores sorrirem. A areia molhada conta a canção da onda e da sua acolhida terna para a nossa vida descalça. Lutar contra a impermanência da cara das coisas é feito tentar prender o azul macio das tardes, segurar o viço risonho das flores, amordaçar as ondas. É inútil.

Costumamos esquecer que não podemos impedir a mudança: tudo dança a coreografia sábia e implacável da impermanência. Mas a música daquilo que verdadeiramente nos toca com amor, não importa o quanto tudo mude - e tudo muda -, não deixa nunca mais de tocar e viver, de algum jeito, no nosso coração.



Ana Jácomo


**
Presente da Maribela ^^
Se me esqueceres, só uma coisa:
Esquece-me bem devagarinho...



Mário Quintana