domingo, 30 de janeiro de 2011

Enchantagem


de tanto não fazer nada
acabo de ser culpado de tudo

esperanças, cheguei
tarde demais como uma lágrima

de tanto fazer tudo
parecer perfeito
você pode ficar louco
ou para todos os efeitos
suspeito
de ser verbo sem sujeito

pense um pouco
beba bastante
depois me conte direito

que aconteça o contrário
custe o que custar
deseja
quem quer que seja
tem calendário de tristezas
celebrar

tanto evitar o inevitável
in vino veritas
me parece
verdade

o pau na vida
o vinagre
vinho suave

pense e te pareça
senão eu te invento por toda a eternidade


Paulo Leminski
Não durmo...
Mas, ironicamente, à noite sou tomada por poesia e, acordada, tenho meus melhores sonhos.
Escrevo e, como não durmo,isso me basta.

Pâmela, do querido e amado Museu Íntimo.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Amor a Deus (III)


Dê-me a nota Senhor!
Dê-me a nota...

A que eu não possa alcançar
Bemolize.

A que por pouco não afine
Toma por mim
Suas comas.

Dê-me a nota Senhor!
E todo fôlego do ar

Cante a nota
Que eu mesmo
Quero cantar!


Cristiano Siqueira, do Cento e muitos poemas de amor.

**
Da terrinha também.
a estrela cadente
me caiu ainda quente
na palma da mão

Paulo Leminski
A vocês, eu deixo o sono.
O sonho, não!
Este eu mesmo carrego!


Paulo Leminski
num mantra que me envolve
como a manta que lhe cobre
dos teus pecados mais ardis
abro-me feito flor, feito rosa
que da mais pura forma
de longe lhe parece sorrir
no coração então lhe trago
os versos mais puros que já fiz
e me acendo como incenso
para que chegue leve até ti
então possa tocar sua pele
e ouvir o que sua boca me diz


dela, a Paixão

da terrinha ^^

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

sempre no Tom...

"Muito se disse que sua música era inspirada no cool jazz e no bebop americano. É outra meia verdade. Tom ouvia jazz no rádio nos anos 50 como todo mundo, mas não era seu tipo de música predileta. Preferia os standards da orquestra de Glenn Miller às experimentações de Charlie Parker. Suas influências, segundo ele próprio, eram Debussy, Villa-Lobos, Stravinsky e Chopin. Não é difícil comprovar que Tom, dessa vez, estava dizendo a verdade. Uma de suas composições mais famosas, Insensatez, é incrivelmente parecida com o Prelúdio em Mi Menor, Opus 28, de Chopin, a ponto de ser possível tocar uma música com o acompanhamento da outra. O próprio Tom gostava de dizer que a inspiração para Samba de uma Nota Só não era o famoso ostinato de Night and Day, mas outro prelúdio de Chopin, o em Ré Bemol, conhecido como Prelúdio da Gota d'água. Seus acordes sobrepostos vêm de Debussy, que, assim como Chopin, brincava com acordes dissonantes numa época em que o jazz nem sonhava existir.
(...)
 Tom fica na história não como um Beethoven de segunda, mas como um Tom Jobim de primeira, o número 1 na especialidade a que se dedicou: seduzir e fascinar as platéias com excelente música popular, essa arte da banalidade que umas poucas vezes atinge o nível do sublime."


Revista Veja - Triste é viver sem Tom Jobim, 14 de dezembro de 1994



**

Grande. Compositor. Cantor. Maestro. BRASILEIRO.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

A menina cor-de-rosa

Era uma vez uma menininha cor–de-rosa que vivia na concha furta-cor de um caracol e ousou empreender viagem para além dos seus limites. Conheceu serpentes corais, flores amarelas, insetos vermelhos, animais verdes, homenzinhos azuis. Cada um com quem se encontrava profundamente lhe transformava, modificava sua cor, fazia-a viver milhões de emoções em um só dia.
Aprendeu a pensar com o coração, agir com a emoção e vencer com o amor. Aprendeu a hospedar pessoas em seu próprio ventre e a ter paciência para esperar nascer. Aprendeu a dar asas, ensinar a voar e deixar partir. Transformou em luz e sorriso as dores e incompreensões que carregou na alma e aprendeu a ter sempre à disposição um ombro forte a oferecer.
E foi assim que a menininha cor-de-rosa se descobriu mulher e foi morar no arco-íris.

[Desconheço o autor]

sábado, 22 de janeiro de 2011

'A alegria é um pássaro que só vem quando quer.
Ela é livre. O máximo que podemos fazer é 

quebrar todas as gaiolas e cantar uma canção de amor,
na esperança de que ela nos ouça.
Oração é o nome que se dá a esta canção
para invocar a alegria.'


Rubem Alves

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011



Meu amor não se atrase na volta não
Meu amor não, não, não
Meu amor não se atrase na volta não
Meu amor, meu amor, meu amor, quem mandou?

Mandei uma mensagem a jato às entidades do tempo
Já me foi verificado que nem mesmo haverá segundos
Que os minutos foram reavaliados e que
pra cada suspiro serão 10 contados



Alec Haiat e Céu

"Que seja doce..."

Queria desvendar esse teu mistério.
Entender esse cintilar de encantamento que sai de ti.
Acho mesmo que você é de açúcar e ternura.
É que toda vez que te olho, vejo cumprir em ti a profecia de Caio.
E fica tudo tão doce...



Branna Lorenna

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

'A imaginação é a memória que enloqueceu.'

Mário Quintana
Dizem que a gente tem o que precisa não o que a gente quer,
tudo bem eu não preciso de muito. Eu não quero muito, eu quero mais.
Mais paz, mais saúde, mais dinheiro, mais poesia, mais verdade, mais harmonia, mais noites bem dormidas, mais noites em claro.
Mais eu. Mais você.
Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca,
Eu quero nós, mais nós,
Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala.
Nós que não atam nem desatam.
Eu quero pouco e quero mais...
Quero você. Quero eu.
Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro.
Quero seu beijo.
Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte:
...nada é muito quando é demais.


Caio F.

Selitos...

Olha, presentinhos da Laís (Obrigada, novamento, flor ^^):






Bem, vou indicá-los para 4 blogs que gosto muito. Vale a pena conferí-los:

Bem, creio que não tem regrinhas não, então vocês podem passar para quantos blogs quiserem.

Beijones!

sábado, 15 de janeiro de 2011

Versão com Chico, Caetano, Sosa, Gal Costa e Milton Nascimento. Incrível!!!
---

Volver a los diecisiete


Volver a los diecisiete después de vivir un siglo
Es como descifrar signos sin ser sabio competente,
Volver a ser de repente tan frágil como un segundo
Volver a sentir profundo como un niño frente a Dios
Eso es lo que siento yo en este instante fecundo.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

Mi paso retrocedido cuando el de ustedes avanza
El arco de las alianzas ha penetrado en mi nido
Con todo su colorido se ha paseado por mis venas
Y hasta la dura cadena con que nos ata el destino
Es como un diamante fino que alumbra mi alma serena.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

Lo que puede el sentimiento no lo ha podido el saber
Ni el más claro proceder, ni el más ancho pensamiento
Todo lo cambia al momento cual mago condescendiente
Nos aleja dulcemente de rencores y violencias
Solo el amor con su ciencia nos vuelve tan inocentes.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

El amor es torbellino de pureza original
Hasta el feroz animal susurra su dulce trino
Detiene a los peregrinos, libera a los prisioneros,
El amor con sus esmeros al viejo lo vuelve niño
Y al malo sólo el cariño lo vuelve puro y sincero.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

De par en par la ventana se abrió como por encanto
Entró el amor con su manto como una tibia mañana
Al son de su bella diana hizo brotar el jazmín
Volando cual serafín al cielo le puso aretes
Mis años en diecisiete los convirtió el querubín.


Violeta Parra

**
Genial!
Clave de sol, sustenido ou bemol


Hoje eu me calo. Por que o encanto é mudo. E é um ultraje quebrá-lo com rumores vãos.
Percebi-me caderno de partituras ou orquestra completa. Tocaram para mim ou por mim. Estou em curso. Vida maestra que  tem  ensinado a compor-me. Executar a sinfonia, com as notas a combinar para acertar o tom. Clave de sol, sustenido ou bemol, com seus agudos e graves. Desafinando. Ensaiando para não perder o compasso em meio aos contra-tempos.
E por fim hão de sentir-me liricamente música.


Lice, do Giz Colorido

Amor, amor, amor... poetinha!

Soneto do Maior Amor

Maior amor nem mais estranho existe
Que o meu, que não sossega a coisa amada
E quando a sente alegre, fica triste
E se a vê descontente, dá risada.

E que só fica em paz se lhe resiste
O amado coração, e que se agrada
Mais da eterna aventura em que persiste
Que de uma vida mal-aventurada.


Louco amor meu, que quando toca, fere
E quando fere vibra, mas prefere
Ferir a fenecer – e vive a esmo.


Fiel à sua lei de cada instante
Desassombrado, doido, delirante
Numa paixão de tudo e de si mesmo.




Vinicius de Moraes

**
Soneto que me deixa sempre boba...

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy
Era você além das outras três
Eu enfrentava os batalhões
Os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque
E ensaiava o rock para as matinês

Agora eu era o rei
Era o bedel e era também juiz
E pela minha lei
A gente era obrigado a ser feliz

E você era a princesa que eu fiz coroar
E era tão linda de se admirar
Que andava nua pelo meu país

Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu pião
O seu bicho preferido
Vem, me dê a mão
A gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido


Agora era fatal
Que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá deste quintal
Era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim?



João e Maria - Chico Buarque e Sivuca
lágrima é dor derretida
dor endurecida é tumor
lágrima é alegria derretida
alegria endurecida é tumor
lágrima é raiva derretida
raiva endurecida é tumor
lágrima é pessoa derretida
pessoa endurecida é tumor
tempo endurecido é tumor
tempo derretido é poema


Viviane Mosé

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

da Paixão...

Sem tempo


O tempo escreve nosso destino usando caneta, não lápis. Se lápis fosse, apagaria metade. O corretivo não dá conta dos erros e erro maior é tentar corrigir as falhas que o tempo comete. Eu sigo apenas vivendo, um dia de cada vez. Um e o outro, o outro e o um. Não vejo erro algum no que faço agora, mas sempre que olho para trás vejo rasuras sobre o passado. Esperto esse tempo, pois não? Percebe os erros nas linhas, nas letras e nos parágrafos e cobre com riscos e rabiscos, tudo que escreveu às pressas, na falta dele mesmo talvez.



Débora Paixão
do http://tudoqueficanoar.blogspot.com/search?q=passado

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

para um nova gramática:

imagine um sentimento água. um sentimento árvore. uma agonia vidro. uma emoção céu. uma espera pedra. um amor manga. um colorido vento sul. um jeito casa de ser. uma forma líquida de pensar. uma vida paredes. uma existência mar. uma solidão cordilheira. uma alegria pássaro em chuva fina. uma perda copo.

acho que hoje acordei semente. tenho andado muito temporal. minha irmã vive um momento tudo. a vida às veses transborda pelos poros. me atinge um estado livro. aurora em meus joelhos. tem pessoas ponte. algumas carregam a gravidade nas costas. já conheci gente buraco negro. eu amo o instante limo. tem um branco
em mim. a vida me urca. sofro de saudade anônima.
palavras me beijam a boca


Viviane Mosé
"Caladas, bordamos uma eternidade. Nos sabíamos irmãs, mesmo com o fosso do tempo entre nós. Nos sabíamos em silêncio a bordar. Foi quando aprendi a pegar o silêncio com as mãos, enfiar no buraco da agulha, e escrever. Tudo que escrevo desfio dessas tardes. Desvio dessas tardes. Escrevo a saudade dessas tardes. E um nó na garganta. amém."

Viviane Mosé - Irene
"Eu não quero mais dormir sem você. Nunca mais. Eu pedi para você não largar a minha mão, e mesmo dormindo você não largou. Eu tô com medo. Você é perfeito para mim. Muito. Todo. Agora eu não acho nada, não penso nada. Não quero mais saber de nada. Eu me abandonei em você."
Viviane Mosé - Nome Próprio (Camila)
Conceitos, palavras.
Que tem a pele com isso?
Certezas podem ser carne sem ser tinta.
Podiam.

Carrego a palavra nas costas
além de no fundo do peito e na ponta da língua.

Base das minhas asas invisíveis,
soco na boca do estômago,
filho de 7 letras de 20 minutos de gestação.
Um dia crianças vão deitar sobre o meu corpo pra aprender a soletrar.

Talvez quando essa perenidade me tomar por inteiro
passe essa surpresa, esse medo,
talvez o que hoje é susto vire orgulho do percurso,
e a palavra, embora brasa, cesse de queimar.


Maria Rezende

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Sonhou que voava.
Sentia o vento no rosto, e uma sençasão inigualável de liberdade tomara conta do seu ser.
Acordou a beira de um precipício,e a única maneira de voltar a sonhar era saltando...


A vida lhe dera asas!



com amor, Pâmela.
 
Do blog http://museuintimo.blogspot.com/