quinta-feira, 31 de março de 2011

Dual

Então me digas
Quem vai te ajudar
Quando à noite
Começar a chorar,

Quando a graça
Não puder mais achar
E o caminho de casa
Precisar encontrar

Diga quem mais
Poderá suportar
Feridas constantes
No mesmo lugar

Diga quem mais
Vai te escutar
Te dar um conselho
E te abraçar

Posso não entender
Só posso escutar
Me jogar no teu mar
Não sabendo nadar

Mas vou com coragem
E vou procurar
Uma forma sincera
De te ajudar

Ainda que eu me afogue
Ainda que eu me perca
Encontre no seu mar
Algo que me esmoreça

O importante é estar contigo
O que importa é te ajudar
Dividir em ombros fracos
O que te impede de nadar


Thiago Almeida, O Filho do Vento 


2 comentários:

  1. Branna!
    Se já era uma honra ter um poema aqui, imagine dois!
    Obrigado, as marcações ficaram muito boas. Deram outro 'ar' ao texto.
    Beeijo!

    ResponderExcluir
  2. Que texto belíssimo!!! Fiquei encantada, grata por partilhar conosco. bjs

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua semente. É ela que enche de flores este lugar!
Obrigada pela visita! ^^
Seja sempre bem vindo ao Jardim.