quinta-feira, 25 de outubro de 2012




"Digo-vos: é preciso ter ainda
um caos dentro de si para poder dar à luz
uma estrela dançarina."

Nietzsche

domingo, 21 de outubro de 2012



"O que as pessoas mais desejam
É alguém que as escute de maneira calma e tranquila.
Em silêncio.
Sem dar conselhos.
Sem que digam: "Se eu fosse você".
A gente ama não é a pessoa que fala bonito.
É a pessoa que escuta bonito.
A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta.
É na escuta que o amor começa.
E é na não-escuta que ele termina.
Não aprendi isso nos livros.
Aprendi prestando atenção."


Do querido Rubem Alves, em O AMOR QUE ACENDE A LUA




quinta-feira, 18 de outubro de 2012


Foge o sono.
Fica o sonho.
Turvo.


*


Quisera meter goela abaixo a dor.
Ou a lembrança.
Tarde demais.

Tenho um poema entalado na garganta.
E não há maldição pior que esta.



Branna L.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012


Não havíamos marcado hora, não havíamos marcado lugar. E, na infinita possibilidade de lugares, na infinita possibilidade de tempos, nossos tempos e nossos lugares coincidiram. E deu-se o encontro.

Rubem Alves 

*
Você estava usando um terno comum, vestido para o trabalho no escritório, com um cabelo incrivelmente bagunçado. Eu era a garota de cabelos castanhos encaracolados e blusa com estampa de cavalos. Estávamos naquele momento constrangedor em que dois estranhos ficam em vai-e-vem, tentando avançar e, ao mesmo tempo, atrapalhando o caminho um do outro. Foi então que você me tirou para uma mini-valsa no meio dos transeuntes irritados, em pleno horário de almoço. Gostaria de entender esse momento agora: duas pessoas partilhando de um segundo delicado em um dia que não tinha correspondido aos planos. Mas quando isso aconteceu, eu tinha apenas vinte-e-poucos anos e era desajeitada demais. Na hora, eu só franzi a testa e fui embora rápido, esperando que ninguém tivesse notado. Obrigada por transformar aquele dia em algo especial.


*
Ilustração e texto lindos do livro Missed Connections, de Sophia Blackall. Neste projeto, Sophia representa histórias de amor improváveis, momentos rápidos e únicos que são capazes de parar o tempo. Em suas próprias palavras:
"Every day hundreds of strangers reach out to other strangers on the strength of a glance, a smile or a blue hat. Their messages have the lifespan of a butterfly. I'm trying to pin a few of them down."

Para ler o texto original em inglês é só clicar aqui



Sobre algumas merdas da vida...

‎Tô cagando e andando.
Tô cagando e andando.
Tô cagando e andando.
Mas, como a terra é redonda, eu sempre acabo pisando nas merdas que faço.


Hugo Possolo

terça-feira, 2 de outubro de 2012


Porque sem amor não dá pra começar. Mas apenas com ele, não dá pra seguir.


Branna L.